domingo, 27 de fevereiro de 2011

Hipertireoidismo...

O que é Hipertireoidismo?
É uma disfunção da glândula tireóide onde ocorre aumento da secreção dos hormônios tireoidianos.
Quais as causas do Hipertireoidismo?
  • Doença de Graves.
  • Bócio Multinodular tóxico.
  • Adenoma tóxico.
  • Induzida pelo Iodo.
  • Aumento de secreção do TSH.
  • Carcinoma de tireóide.
  • Tireotoxicose factícia.
  • Tireoidite subaguda (de Quervain).
  • Tireoidite crõnica - tireotoxicose transitória.
  • Tireóide ectópica - struma ovarii , metastase de cancer tireoidiano.
  • Excesso de produção de HCG.

Quais os sintomas do Hipertireoidismo?

  • Nervosismo.
  • Irritabilidade.
  • Sudorese excessiva (principalmente mãos).
  • Labilidade emocional.
  • Choro sem razão aparente.
  • Perda de peso.
  • Aumento do apetite.
  • Distúrbios do sono.
  • Tremores.
  • Palpitações.
  • Intolerãncia ao calor.
  • Desatenção.
  • Alteração no hábito intestinal.
  • Queda de cabelo.

Até mais.

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Proibição aos inibidores do apetite - 2ª parte...

Emagrecedores devem ser fiscalizados e não proibidos, diz endocrinologista em debate na Anvisa

Em vez de banir os emagrecedores do mercado, é preciso fiscalizar adequadamente o seu uso. Esse é o principal argumento apresentado pelo presidente da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (Sbem), Ricardo Meirelles, durante a audiência pública na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) sobre o assunto nesta quarta-feira (23), em Brasília.

De acordo com Meirelles, produtos como os anfetamínicos não estariam no mercado há 30 anos se não tivessem alguma utilidade. "O grande problema é que inúmeras vezes o tratamento medicamentoso é usado sem critério, às vezes até por solicitação do próprio paciente", explicou.

Em relação à sibutramina, o endocrinologista citou nota técnica da própria Anvisa mostrando que, em certos casos, o tratamento prolongado com o medicamento é útil. Para ele, os estudos que levaram à proibição da substância na Europa foram feitos em pacientes com problemas de saúde, que pelas orientações da bula nem deveriam ter sido medicados.

Meirelles afirma que as diretrizes sobre o tratamento farmacológico da obesidade e do sobrepeso são respaldadas em trabalhos científicas e não têm o objetivo de levar os pacientes a ficarem magros, mas garantir uma redução de 5% a 10% do peso corporal para diminuir os riscos de diabetes e doenças cardiovasculares associados ao excesso de peso.

"Tratamento medicamentoso não é panaceia", declarou o médico. Segundo as diretrizes, deve ser indicado a pacientes com IMC igual ou superior a 30, ou superior a 25 com comorbidades (doenças como diabetes ou do coração) ou com pessoas com circunferência abdominal elevada que não responderam a tentativas de reduzir o peso sem remédios.

"Busca desesperada"

Para a Sbem, a proibição sugerida pela Anvisa só estimularia o mercado negro de medicamentos. Ponto que foi usado como argumento também pelo endocrinologista Walmir Coutinho, presidente da Associação Internacional para o Estudo da Obesidade. "A preocupação de de quem lida com o paciente no dia a dia é em que situação vão ficar aqueles que perderam 10, 20 quilos com os medicamentos e tiveram uma mudança de vida significativa", alertou. "Vai haver uma procura desesperada, como ocorreu nos países em que houve proibição."

Durval Ribas, presidente da Abran (Associação Brasileira de Nutrologia), também ressaltou a necessidade de se ouvir o paciente na discussão sobre os emagrecedores. "Por que tirar do obeso um arbusto que ele está segurando para cair num precipício?", questionou. Ele ainda comentou que o excesso de peso é visto como falta de força de vontade, o que é um equívoco: "A partir do momento em que a expressão genética da obesidade se apresenta, não há mais volta".

O que diz a Anvisa

Segundo a agência, medicamentos que contém sibutramina e dos anorexígenos anfetamínicos (anfepramona, femproporex e mazindol) devem ser retirados do mercado brasileiro devido aos altos riscos à saúde que podem acarretar. A indicação estaria baseada em estudos científicos e no parecer da Câmara Técnica de Medicamentos (Cateme) de 26 de outubro de 2010. No documento, o órgão recomenda o cancelamento dos medicamentos por apresentarem riscos que superam seus benefícios.

Segundo nota técnica da área de farmacovigilância da Anvisa, a sibutramina apresenta baixa efetividade de redução de peso e pouca manutenção de redução de peso em longo prazo. Além disso, estudos indicam possível aumento de risco cardiovascular entre todos os usuários.

Os medicamentos anorexígenos anfepramona, femproporex e mazindol, por sua vez, apresentam graves riscos cardiopulmonares e do sistema nervoso central. Esses fatores tornam insustentável a permanência destes produtos no mercado, mesmo considerando as melhorias já implantadas no processo de controle da venda destes medicamentos no Brasil.

A nota técnica da Anvisa destaca, ainda, que esses medicamentos não são comercializados em diversos países desenvolvidos por serem considerados medicamentos obsoletos e de elevado risco aos usuários.

Segundo o endocrinologista Márcio Mancini, ex-presidente da Abeso (Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade), o documento da Anvisa possui uma série de equívocos e não foi redigido por especialistas em obesidade.

Até mais.

Fonte: UOL Ciência e Saúde.

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Narcolepsia...

NARCOLEPSIA é um distúrbio do sono. Acontece um sono irresistível durante o dia mesmo tendo dormido bem durante a noite. Alguma situações de sono podem ocorrer em lugares inusitados como em pé dentro do metro, durante uma consulta médica, dirigindo automóveis...
Matéria abaixo foi relatada na OMS:
A vacina contra H1N1 pode causar narcolepsia em criança de acordo com a Organização mundial de Saúde.

Desde agosto de 2010, seguindo a disseminação de uso da vacina1 contra influenza (H1N1) em 2009, casos de narcolepsia, principalmente em crianças e adolescentes, foram reportados por pelo menos 12 países. Os casos foram mais frequentes na Suécia, Finlândia e Islândia.
A narcolepsia é uma condição neurológica rara que leva a pessoa a ter ataques de sono repentinos, a qualquer momento, e que podem acontecer em situações inusitadas. Há uma sonolência excessiva durante o dia, mesmo quando a pessoa dormiu bem à noite. Fatores genéticos estão envolvidos no seu aparecimento.
Segundo conclusões do The National Institute for Health and Welfare, da Finlândia, nas crianças e adolescentes de quatro a dezenove anos que receberam a vacina1 contra o H1N1, o risco de narcolepsia foi grande, entre 2009 e 2010, comparadas àquelas não vacinadas. A única vacina1 usada neste país foi a Pandemrix fabricada pela GlaxoSmithKline.
O The National Institute, na Finlândia, considera provável que a Pandemrix seja um dos fatores que esteja contribuindo para este aumento nos casos de narcolepsia e acredita que novos estudos são necessários para determinar outros cofatores que possam estar colaborando para o aumento do risco. O mais provável é que a vacina1 Pandemrix aumente o risco da doença naquelas pessoas geneticamente predispostas junto com algum outro, ainda desconhecido, fator genético e/ou ambiental.
O WHO's Global Advisory Committee on Vaccine Safety (GACVS) analisou os dados e continuará a acompanhar a situação de perto, disponibilizando atualizações sobre as informações obtidas.

Até mais.


Fonte:
World Health Organization (WHO) e National Institute for Health and Welfare

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Falta de "banho" de sol causa RAQUITISMO....

O Raquitismo nutricional (RN), falta de cálcio ou deficiência de vitamina D, ainda é a forma mais comum de doença do osso em crescimento, apesar dos esforços dos profissionais de saúde para reduzir a incidência da doença.

Hoje, é sabido que a etiologia da raquitismo nutricional varia de deficiência isolada de vitamina D a deficiência de cálcio isolado. Quase todos os casos resultam de raquitismo nutricional são decorrentes de deficiência isolada de vitamina D. Evidências recentes sugerem que, além de seus efeitos a curto ou a longo prazo sobre o desenvolvimento do esqueleto, a deficiência isolada de vitamina D durante a infância, pode predispor o paciente a doenças como a diabetes, câncer e a esclerose múltipla. Entre os fatores responsáveis pela alta prevalência da deficiência isolada de vitamina D em países em desenvolvimento e seu ressurgimento em países desenvolvidos é a limitação a exposição do solar devido a maior permanência dos indivíduos em casa (assistindo televisão e "trabalhando" no computador) e a falta de exposição ao sol intencionalmente por medo de câncer de pele. Algumas roupas (que cobrem todo o corpo exceto o rosto e mãos) limita ainda mais o tempo de exposição à luz solar e, assim, diminui a síntese endógena de vitamina D. O diagnóstico da raquitismo nutricional é estabelecido por uma história completa, exame físico e confirmado por exames laboratoriais. A exposição a luz solar ou a suplementação de vitamina D são necessários para otimizar a absorção de cálcio na dieta e para suprimir secreção excessiva do hormônio da paratireóide. Este tipo de prevenção também irá reduzir o risco de fratura, bem como evitar a longo prazo efeitos negativos da insuficiência de vitamina D.



Até mais.



Fonte: Ozkan, Behzat Nutricional Rickets-Review JCRPE volume 4 dezembro 2010

sábado, 19 de fevereiro de 2011

Horário de verão...

Hoje quando os relógios marcarem 24:00, estes deverão ser atrasados em 1 hora, pois é o fim do horário de verão em alguns estados brasileiros.
O atraso geralmente é menos sentido do que o avanço, pois uma hora para dormir a mais é sempre melhor. Mesmo assim, dormir no horário habitual é a melhor solução para acostumar nosso "reloginho" com essa nova mudança.
Até mais.

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

As escolas não estão preparadas para receber crianças com diabetes...

No último dia 07, Luana foi pra escola.

Antes disso, no ato da matrícula conversamos (eu e meu esposo) com a diretora sobre sua doença: Diabetes.

A mesma me solicitou um laudo do endócrino para enviar para a empresa que fornece o lanche e para nutricionista da escola. E solicitei que se algum dia Luana não quisesse lanchar que me ligasse, pois poderia levá-la a uma hipoglicemia (falei sobre os principais sintomas).
No primeiro dia de aula conversei com a professora (já que não teve nenhuma reunião antes), como havia combinado com a diretora que enviaria na primeira semana o lanche de casa, disse: - Não esqueça que o lanche dela está na mochila!
Quando cheguei na sala dela, para minha surpresa ela não estava lá, então meu coração disparou e foi aí que professora disse: - Ah! Ela ta lá no refeitório.
E na mesma hora ela vem toda sorridente dizendo: - Mamãe, hoje a gente tomou NESCAU e biscoito DOCE e ainda tomamos REFRIGERANTE.
Calmamente perguntei pra professora: - Luana não tomou o lanche dela? E ela disse: - A escola fornece o lanche e então eu disse: - Mas ela tem diabetes e o dela é diet! Então, ela lembrou e pediu desculpas.
E apenas 2 horas e meia ela esqueceu tudo que eu havia falado sobre a Luana.
Conversei com a Luana, pois ela sabia que não podia tomar naquela semana o lanche da escola, porém, ela tem apenas 4 anos e como toda criança ela não tem muita dimensão dos riscos que corre.

CONCLUSÃO: GLICOSE= 459.

Segundo dia de aula: Ok, Luana disse que lembrou a professora e glicose = 130.
Terceiro dia: Luana não comeu o biscoito, tomou apenas o suco que era Ades zero de Laranja (porque já previa que poderia acontecer algo do tipo e esse suco mesmo sendo zero aumenta um pouco a glicose uma vez que tem 6,9g de carboidratos dos quais 1,2g açucares).
Mesmo eu pedindo pra me ligar caso isso acontecesse à professora não falou nada para a diretora que não me ligou, é claro!
RESULTADO: GLICOSE= 60

DETALHE: A diretora informou que não conseguiu falar com a nutricionista e me pediu para levar na segunda o lanche dela (o das demais será sucrilhos e leite fermentado).
Pior do que isso, foi à diretora me afirmar que não sabia nada sobre diabetes, significa que mesmo sabendo que receberia na escola uma criança portadora da doença, não teve o menor interesse em se informar sobre o assunto.
AS ESCOLAS NÃO ESTÃO PREPARADAS PARA RECEBER CRIANÇAS COM DIABETES!
Até mais.
Fonte: Sociedade Brasileira de Diabetes.

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Piadinha médica...

*FUNERAL DO CARDIOLOGISTA*
Um cardiologista muito famoso na cidade morreu.Seu funeral foi muito pomposo e muitos de seus colegas médicoscompareceram.Durante o velório, um enorme 'coração', rodeado de coroas de flores,permaneceu atrás do caixão...Após as últimas palavras do Padre, o coração se abriu e o caixão entrouautomaticamente no enorme coração, emocionando a todos os presentes.
O coração se fechou, levando no seu interior o famoso médico para SEMPRE.Um dos presentes explodiu em gargalhada, causando surpresa e indignação.Questionado por que ria, ele explicou:- Desculpem-me... Por favor, desculpem-me.... É que eu estava pensando comoseria meu funeral.... SOU GINECOLOGISTA!
NESSE MOMENTO, O PROCTOLOGISTA DESMAIOU.
Até mais.

Inibidores do apetite poderão ser proibidos...

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) realiza, na próxima quarta-feira (23/2), audiência pública para discutir o cancelamento do registro dos medicamentos que contém sibutramina e dos anorexígenos anfetamínicos (anfepramona, femproporex e mazindol).
Os produtos à base dessas quatro substâncias atuam como inibidores de apetite e devem ser retirados do mercado brasileiro devido aos altos riscos à saúde que podem acarretar.A indicação da Anvisa está baseada em estudos científicos e no parecer da Câmara Técnica de Medicamentos (Cateme) de 26 de outubro de 2010. No documento, o órgão recomenda o cancelamento dos medicamentos por apresentarem riscos que superam seus benefícios.
Segundo nota técnica da área de Farmacovigilância e da gerência de Medicamentos da Anvisa, a sibutramina apresenta baixo coeficiente de efetividade de redução de peso e pouca manutenção de redução de peso em longo prazo. Além disso, estudos indicam possível aumento de risco cardiovascular entre todos os usuários.Os medicamentos anorexígenos anfepramona, femproporex e mazindol, por sua vez, apresentam graves riscos cardiopulmonares e do sistema nervoso central. Isto tornaria insustentável a permanência destes produtos no mercado, ainda que com melhorias no processo de controle da venda destes medicamentos.
A nota técnica da Anvisa destaca, ainda, que esses medicamentos não são comercializados em diversos países desenvolvidos por serem considerados medicamentos obsoletos e de elevado risco aos usuários.As novas evidências científicas, aliadas aos dados obtidos por meio das ações de vigilância pós-mercado da Anvisa, apontam para a necessidade de retirada dos inibidores de apetite do mercado brasileiro, não havendo justificativa para a permanência destes produtos no país.

Até mais.

Fonte: ANVISA.


terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Anabolizantes falcificados....

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) determinou como medida de interesse sanitário a apreensão e inutilização, em todo o país, do Lote nº 910 do produto Hemogenin, com validade até dezembro de 2012, por falsificação. A resolução foi publicada nesta terça-feira no "Diário Oficial da União".

O produto é um anabolizante estimulante da capacidade de oxigenação dos músculos, o que normalmente faz com que o usuário aumente a intensidade e a frequência dos treinamentos, sem demonstrar sintomas de desgaste físico.

No lote falsificado, as informações do frasco foram gravadas em verde, enquanto no produto original as informações são em cor rosa. No original, as informações sobre o produto são mais detalhadas, e incluem dados como o telefone do serviço de atendimento ao cliente da empresa fabricante.

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Sou contra o Bullying...



Na volta as aulas, oriente seus filhos com relação aos apelidos, humilhações e até agressões com seus colegas de escola.
O COMBATE AO BULLYING COMEÇA DENTRO DE CASA.
Até mais.

Dermatite de fralda (ASSADURA)...


Um grande problema que afeta nossos bebês em toda as épocas do ano mas principalmente no verão, é a dermatite de fralda.

A dermatite é uma área "vermelhilha" que fica na região da fralda do bebê e que as vezes pode vir acompanhado de lesões brancas, que são infecções fúngicas que se aproveitam da diminuição da proteção da pele para se instalar. E como isso acontece? Calor e humidade são os princípios básicos para que se ocorra isso. No calor do verão associado as fraldas que são praticamente impermeáveis, ou seja não deixa escorrer xixi fora da fralda, e a transpiração do bebê, tudo isso junto, acareta pela evaporação do suor e do xixi , as dermatites.

Portanto, além dos inúmeros cremes protetores, não esqueçam de trocar as fraldas mais frequentemente, não deixando ficar encharcadas. Costumo orientar: Fez xixi já troca, não deixa acumular. Assim a pele fica menos tempo em contato com esse "vapor" de xixi diminuindo o risco da dermatite.


Até mais.

Queda da mortalidade infantil em Praia Grande-SP...


Com a redução na taxa de mortalidade infantil de 19,7 mortes (para cada mil nascidas vivas), em 2009, para 12,6, em 2010, Praia Grande avança em direção a uma melhora ainda maior. Para isso a Secretaria de Saúde Pública (SESAP) vem intensificando as ações como acompanhamento da gravidez de risco e do pós-parto, além da capacitação de pessoal na Saúde da Família. Campanhas como de exames pré-natal também contribuem para que as gestações transcorram sem complicações. Estas foram algumas das estratégias responsáveis pelo quadro atual, que diminuiu o índice.De acordo com o secretário de Saúde, Adriano Springmann Bechara, desde 2009, quando a Cidade registrou um índice desfavorável, foram debatidas propostas, que ao serem implementadas, surtiram efeitos. “Nossas equipes se empenharam estrategicamente, atingindo objetivos visando a queda nos índices de mortalidade infantil. Sem dúvida, a união de todos os profissionais permitiram que tivéssemos um resultado favorável”, disse.Para Bechara, a mobilização também incluiu uma maior conscientização da comunidade, para incentivar mães na realização dos exames pré-natais. Ele acredita que a campanha realizada nas visitas às residências por profissionais do Programa de Saúde da Família foram importantes. “As informações sobre a necessidade do acompanhamento ao pré-natal e ao recém-nascido desde o parto ao primeiro ano de vida, o acesso aos serviços laboratoriais como teste do pezinho, além do aleitamento materno e vacinação foram fundamentais para que as mães e seus familiares não desprezassem esses cuidados”, considerou.Conforme o secretário, a conquista da UTI Neo Natal, no Hospital Irmã Dulce, e o incentivo ao parto natural, em vez da cesárea (que implica em riscos por conta de anestesias e do processo cirúrgico), são outros mecanismos que justificam o otimismo do setor para os próximos anos. “Temos a convicção de que Praia Grande não aparecerá mais nos noticiários por acompanhar um ligeiro aumento na taxa de mortalidade na região. Ao contrário, estaremos entre as primeiras cidades a registrar quedas consecutivas nos índices”.


Até mais.


Fonte: Prefeitura Municípal de Praia Grande-SP.

Doar sangue...

Quem tem entre 18 e 60 anos, pesa mais de 50 quilos e nunca teve hepatite ou doença de Chagas, pode se tornar um doador de sangue.
Durante a doação, de 5 a 7 minutos, são retirados no máximo 500 ml de sangue. Antes é preciso fazer uma entrevista e passar por rápida avaliação física, para verificação do peso, altura, pressão arterial e temperatura. O sangue coletado é analisado para detectar doenças transmissíveis, entre as quais Aids, sífilis, hepatites B e C, doença de Chagas e HTLV (vírus responsável por doenças neurológicas).
O Banco de Sangue da Santa Casa de Santos funciona de segunda a sexta-feira, das 7h às 17h, e aos sábados, das 7h às 11h. O candidato precisa estar saudável (sem anemia, gripe ou conjuntivite), não estar fazendo uso de antibióticos e deve levar um documento de identidade com foto.

Até mais

domingo, 13 de fevereiro de 2011

TENOFOVIR...

Mais uma aposta na produção nacional de medicamentos para a aids e as hepatites acaba de se concretizar. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) concedeu, por meio da Resolução 487/2011, o registro de comercialização da versão genérica do tenofovir para o laboratório oficial Fundação Ezequiel Dias (Funed - Governo do Estado de Minas Gerais). Com a autorização, nove milhões de comprimidos começarão a ser produzidos a partir da próxima semana, o que representará uma economia de aproximadamente R$ 410 milhões ao país no decorrer de cinco anos (até 2015).
Atualmente, cerca de 64 mil pacientes de aids e 1,5 mil de hepatites fazem uso do tenofovir no país. Essa produção tornou-se uma realidade em função de parceria público-privada, viabilizada pela Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos (SCTIE) do Ministério da Saúde. O primeiro lote nacional do tenofovir estará disponível para os pacientes no final de março. Com o início da fabricação, 10 dos 20 medicamentos antirretrovirais fornecidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS) passam a ser fabricados no Brasil, diminuindo em cerca de 47% os custos com a importação do medicamento (até 2015) e fortalecendo a autonomia do país na produção de fármacos.
A concessão também comprova a capacidade técnica de produção nacional e reafirma o compromisso com a sustentabilidade do tratamento para as duas doenças. “Além de disponibilizar o medicamento para as pessoas que vivem com aids e hepatites, fica garantida a oferta a longo prazo, contribuindo para diminuir a dependência externa”, enfatiza o diretor do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, Dirceu Greco. Em 2010, foram investidos R$ 577,6 milhões na aquisição de antirretrovirais importados e R$ 224,9 milhões na fabricação dos nacionais. Mesmo incluindo o investimento com incorporação da tecnologia, o preço inicial do tenofovir nacional será o mesmo pago pelo SUS na última aquisição internacional: R$ 4,02. Até o final de 2011, a Funed entregará ao Ministério da Saúde, em quatro etapas, 36 milhões de comprimidos. A produção do tenofovir no Brasil é uma conquista do governo e da sociedade civil.
O Instituto de Tecnologia de Fármacos (Farmanguinhos) e a Associação Brasileira Interdisciplinar de Aids (ABIA) entraram com um processo no Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) argumentando que não havia atividade inventiva no medicamento. Em 2008, o Ministério da Saúde declarou interesse público do tenofovir, para fins de análise do pedido (Portaria nº 681/2008). Em junho do mesmo ano, o pedido de patente foi indeferido. A partir daí, o Brasil começou a investir na produção nacional do medicamento e o produto foi aprovado em todas as etapas de qualidade determinadas pela Anvisa.
Até mais.
Fonte: Ministério da Saúde.

Diabéticos terão preferência em filas...


Pessoas portadoras de Diabetes que forem insulinizadas ou que possuam problemas crônicos em função da doença também poderão utilizar as filas preferenciais em estabelecimentos comerciais, de serviços e repartições públicas em Americana. O benefício foi garantido em projeto de lei aprovado na sessão de ontem pela Câmara, de autoria dos vereadores Oswaldo Nogueira (DEM) e Leonora da Silva Périco (PPS).
Para ter direito ao benefício, a pessoa terá que apresentar carteirinha que comprove a condição de diabético. O uso das filas preferenciais já é direito garantido por lei a gestantes, pessoas acompanhadas por crianças de colo, idosos e pessoas com deficiência.
A presidente da Adam (Associação dos Diabéticos de Americana), Vera Lúcia Fernandes de Sá, avaliou que foi importante terem sido estabelecidos critérios para o benefício aos portadores da doença, senão haverá o risco de as filas preferenciais se alongarem muito.
Ela explicou que as pessoas que possuem a doença precisam de atendimento prioritário por causa dos riscos de se sentirem mal em uma espera muito longa. O projeto já foi aprovado em segunda discussão e segue agora para a sanção do prefeito Diogo De Nadai (PSDB).
Até mais.

Prioridade a criança e ao adolescentes...

O Senado lançou um Projeto de Lei (8048/10) que defende a obrigatoriedade de prevenção e tratamento de doenças que possam causar perigo ao crescimento e desenvolvimento da criança e do adolescente, inclusos em assistências dadas pelos planos de saúde.O projeto propõe uma alteração na lei dos planos e seguros privados. A finalidade é criar um processo de organização de assistência à saúde da criança e do adolescente no sistema de saúde suplementar.
A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) vai buscar junto a Sociedade Brasileira de Pediatria uma posição sobre essa nova lei.De acordo com a legislação, todas as instituições envolvidas vão emitir protocolos de segurança que garantem a realização de diagnósticos e terapias necessários que detectam e tratam as doenças que afetam crianças e adolescentes.
A lei estabelece ainda que só pediatras reconhecidos pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) poderão realizar as consultas, exceto em caso de urgência. A autora da proposta é a Senadora Patrícia Saboya (PDT-CE) e, segundo ela, os estudos epidemiológicos recentes demonstram que a prevenção eficaz da maior parte das doenças que acometem a população adulta na atualidade deve ser feita na infância.
Até mais.

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Menstruação precoce aumenta a chance de depressão na adolescência...

Um estudo multicêntrico associou a menstruação mais cedo das meninas ( antes dos 11,5 anos) com uma chance maior de desenvolver depressão na adolescência.
A explicação desta hipótese é das crianças amadurecerem mais cedo e se "diferenciarem mais cedos do que as outras meninas amigas da mesma idade.
Observo que não só esse fato mais também a telarca precoce ( aumento das mamas antes dos 8 anos), sendo necessário as vezes o uso de sutiã, as diferencia das outras meninas e com isso pode-se afetar sua parte psicológica.
Por isso, se estiver ocorrendo isso com suas filhas (principalmente, o aparecimento da telarca precoce, procure um endocrinologista pediátrico para uma avaliação.
Até mais.

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Vacina contra meningite em Praia Grande-SP...

Estão disponíveis em todas as unidades de saúde de Praia Grande a vacina contra meningite para crianças menores de dois anos. A aplicação tem a propriedade de imunizar o organismo contra a bactéria meningococo, que causa a meningite tipo C. A vacina está sendo oferecida nas 20 unidades de saúde da Cidade, de segunda a sexta-feira, das 8 às 17 horas, exceto nos pronto-socorros.

A vacinação é recomendada de forma fracionada com aplicação aos três meses de idade, aos cinco meses e uma dose de reforço quando a criança completar um ano. De acordo com a enfermeira responsável pelo setor de imunização, Denise Ribeiro Rodrigues Gato, quem não foi imunizado anteriormente e ainda não tiver completado dois anos deve tomar uma dose única. “Por recomendação do Ministério da Saúde, a idade limite para que a criança possa receber a dose é de um ano, 11 meses e 29 dias de idade”, salientou.

A meningite pode causar morte e se apresenta em vários tipos que afetam as meninges, membranas que envolvem o encéfalo (cérebro, bulbo e cerebelo) e a medula espinhal, que corre por dentro da coluna vertebral. São formadas por três camadas entre as quais circula um líquido denominado líquor. Quando a bactéria ou vírus atinge as meninges se inflamam, infectando o sistema nervoso central.

Os sintomas gerais da doença são: dor de cabeça, vômito, febre alta, mal-estar e rigidez da nuca. Entre os germes que podem causar meningite, destacam-se as bactérias como o pneumococo, germe da pneumonia, e os vírus. O quadro das meningites virais é mais leve, com sintomas que se assemelham à gripe. A maioria das meningites virais é benigna e evolui sem tratamento. Já as causadas por bactérias, em especial a meningococo, podem ser graves e devem ser tratadas imediatamente com antibióticos.

Locais - Confira a relação dos postos de vacinação:
Multiclínica Aviação - Avenida Doutor Roberto de Almeida Vinhas, nº 2.929
Multiclínica Boqueirão - Avenida Presidente Kennedy, s/nº
Multiclínica Tupi - Rua Meinacos, nº 94
Usafa Anhangüera - Rua Josefa Alves de Siqueira, nº 648
Usafa Caiçara – Rua São José, nº 700
Usafa Forte – Avenida Rio Branco, s/nº
Usafa Guaramar - Avenida dos Trabalhadores, nº 1.717
Usafa Melvi – Rua João Caetano, nº 101
Usafa Mirim - Rua Guilherme Penteado de Campos, nº 44
Usafa Ocian - Avenida dos Sindicatos, nº 635, esquina com a Avenida Pres. Kennedy
Usafa Quietude – Rua Rui Manoel Sampaio Seabra Pereira, s/nº
Usafa Real - Rua das Begônias, nº 453
Usafa Ribeirópolis - Rua Esmeraldo Tarquínio, s/nº
Usafa Samambaia - Avenida Araucária, s/nº
Usafa São Jorge - Avenida dos Trabalhadores, nº 4.242
Usafa Solemar - Avenida Presidente Kennedy, nº 8.021
Usafa Tude Bastos - Rua Maria Luiza Lavale, nº 68
Usafa Tupiry II - Rua Idelfonso Galeano, nº 368
Usafa Vila Alice - Rua Renata Câmara Agondi, nº 46
Usafa Vila Sônia - Rua Antônio Candido da Silva, s/nº

Até mais.

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Diabetes tipo Mody...

Você já ouviu falar em diabetes tipo Mody? Aqui vai uma explicação sobre este tipo de diabetes.


A diabetes tipo MODY (Maturity-Onset Diabetes of the Young) é um subtipo da diabetes Mellitus, caracterizado por manifestação precoce (em geral abaixo dos 25 anos de idade) e com transmissão autossômica dominante (determinada em pelo menos três gerações). Corresponde a um defeito primário na secreção da insulina, associada a disfunção na célula β pancreática.

Assim, os critérios necessárias para o diagnóstico de diabetes tipo MODY são:

  • Diagnóstico realizado antes dos 25 anos de idade em, pelo menos, um membro da família.
  • Transmissão autossômica dominante com, pelo menos, 3 gerações atingidas pela diabetes.
  • Capacidade de controle da diabetes sem recurso à insulinoterapia (e sem desenvolver cetose) durante um período de, pelo menos, 2 anos ou níveis significativos de péptido C.

De acordo com vários estudos realizados, a diabetes tipo MODY, corresponde a uma condição monogênica de elevada penetrância, no entanto com uma elevada heterogeneidade a nível clínico. Esta heterogeneidade permitiu, até ao presente a determinação de vários subtipos de diabetes tipo Mody, conhecendo-se atualmente seis genes responsáveis pelo desenvolvimento da doença, permitindo a sua classificação em seis subtipos distintos: MODY 1, MODY 2, MODY 3, MODY 4, MODY 5 e MODY 6. É importante referir que deverão existir outros genes, ainda não identificados, que sejam responsáveis pelo desenvolvimento de outros subtipos de diabetes tipo MODY, sendo referidos como MODY X.


A diabetes tipo MODY, descrita pela primeira vez em 1974, atinge cerca de 2% (1-5 %) do total de doentes diabéticos. Admitindo que em Portugal existem 600.000 doentes diabéticos, cerca de 12.000 destes doentes teriam aquele tipo de diabetes. Contudo, grande parte desses doentes acabam por ser classificados como diabéticos tipo 1 ou 2, consoante o subtipo de MODY. Dever-se-á suspeitar de diabetes tipo MODY em doentes tidos como diabéticos tipo 2 com início da doença em idades precoces e pesada carga familiar ou em doentes classificados de diabéticos tipo 1, mas controlados com baixas doses diárias de insulina ou com níveis de péptido C dosáveis.


Sabendo-se que a diabetes tipo MODY tem evoluções diferentes, consoante o subtipo em causa, a caracterização genética aumentará a informação relativa ao prognóstico. Além de permitir a estratificação quanto à probabilidade do desenvolvimento das complicações tardias da diabetes, a caracterização genética do subtipo de MODY em causa poderá ter implicações sobre o esquema terapêutico a adoptar e sobre o grau de exigência relativo ao controle metabólico.


O estudo genético dos restantes familiares (diabéticos ou não) permite a identificação dos membros da família em que a mutação está presente. Em membros da família em que a mutação esteja presente mas a diabetes não se tenha desenvolvido, sobretudo nos familiares em idades mais jovens, um maior incentivo à adoção de estilos de vida saudável poderia ter implicações em termos de retardamento no desenvolvimento da doença.

Até mais.

Fonte: Sociedade Portuguesa de Diabetes.

domingo, 6 de fevereiro de 2011

"Pulseiras do sexo" nas crianças e adolescentes...

Para quem não sabe essas são as "pulseiras do sexo", que infelizmente está em moda entre nossas crianças e adolescentes. Essa pulseiras são baratas, feita de silicone e apresenta as mais diferentes cores.
As meninas usam essas pulseiras e os meninos tentam quebrá-las. Quando uma delas é arrebentada, o menino além de ganhar uma "prenda" da menina, ganha o "carinho" que a cor indica.
Minha opinião quanto a isso é bem clara: SOU TOTALMENTE CONTRA. É um motivo muito grande para violência sexual entre os jovens, e um grande problema para os pais das meninas e também dos meninos.
Agora para os maiores de idade que querem se "divertir" com esse tipo de "brincadeira", não vejo problema. Neste caso cada um é "dono do seu nariz".
Até mais.

sábado, 5 de fevereiro de 2011

Hipoglicemia neonatal - 2ª parte...

Por que recem-nascidos, filhos de mãe diabéticas correm grande risco de ter hipoglicemia neonatal?


A hiperglicemias nas mães que tem diabetes não controlada resulta em hiperglicemia fetal, que estimula o pãncreas fetal a produzir quantidades elevadas de insulina fetal. A hiperinsulinemia provoca crescimento fetal (macrossomia). A partir do momento que há o clampeamento de cordão a glicemia materna não passa para o recém-nascido, porém ele está hiperinsulinizado e consequentemente os estoque de glicemias caem rapidamente e provoca a HIPOGLICEMIA NEONATAL decorrente de descontrole glicêmico da mãe diabética.


Até mais.

Pâncreas artificial x Grávidas com DM1...


LONDRES - Cientistas britânicos têm demonstrado como um "pâncreas artificial" pode ajudar mulheres grávidas com diabete tipo 1 a reduzir significativamente os casos de natimortos e mortes entre gestantes.
Os pesquisadores usaram um sistema de circuito fechado para administração de insulina, também chamado de pâncreas artificial, em dez mulheres grávidas com diabete tipo 1 e descobriram que a quantidade certa do hormônio, na hora adequada, manteve o açúcar no sangue em um nível próximo do normal e impediu perigosas quedas nessas taxas durante a noite.
"Desenvolver um pâncreas artificial que pode ajudar a manter os níveis de glicose próximo do normal nessas mulheres é muito promissor", disse Helen Murphy, da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, que conduziu o estudo.
O pâncreas artificial experimental foi criado pela combinação de um monitor contínuo de glicose (CGM, na sigla em inglês), com uma bomba de insulina, ambos já utilizados separadamente por muitas pessoas com a doença.
Trabalhos prévios em crianças com diabete tipo 1 descobriram que o uso do sistema de pâncreas artificial à noite é eficaz para um melhor controle da glicemia e da hipoglicemia - quando o nível de glicose no sangue cai demais.
O organismo dos pacientes com diabete tipo 1 se torna incapaz de quebrar as moléculas de açúcar e, se eles não forem tratados, podem ter vasos sanguíneos e nervos destruídos, falência de órgãos e até morrer.
A gravidez pode ser especialmente perigosa para mulheres com diabete, pois as alterações hormonais tornam muito difícil manter os níveis de glicose dentro de uma faixa de segurança, especialmente à noite.
Como resultado dessas altas taxas, os bebês têm cinco vezes mais chances de nascer mortos, três vezes mais risco de morrer nos primeiros meses de vida e duas vezes mais probabilidade de ter uma deformidade grave, segundo os pesquisadores.
A diabete tipo 1 é uma doença autoimune em que o corpo destrói sua própria capacidade de produzir insulina. É responsável por cerca de 10% de todos os casos. O tipo mais comum, o 2, é muitas vezes ligado à má alimentação e à falta de exercícios físicos.
Os cientistas afirmam que novos estudos são necessários, com um maior número de mulheres, para validar esses resultados e ver se o sistema poderia ser desenvolvido para utilização fora do hospital.
Até mais.
Fonte: SBD

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Epidemia de OBESIDADE...

CHICAGO/LONDRES (Reuters) - Mais de meio bilhão de pessoas, ou 10 por cento da população adulta mundial, são obesas, disseram pesquisadores na quinta-feira. O número de obesos dobrou em relação a 1980, e cada vez mais atinge países pobres.
E, embora as nações desenvolvidas tenham feito grandes progressos no combate ao colesterol e à hipertensão, o número global de hipertensos saltou de 600 milhões em 1980 para quase 1 bilhão em 2008, por causa do envelhecimento e crescimento da população.
'O sobrepeso e a obesidade, a hipertensão e o colesterol alto não são mais problemas ocidentais ou problemas de nações ricas', disse Majid Ezzati, do Imperial College London e da Universidade Harvard, que comandou os estudos da Organização Mundial da Saúde (OMS), publicados na revista Lancet.
A pesquisa mostra que na América do Norte, por exemplo, houve uma grande melhora no controle da hipertensão masculina, enquanto Austrália, Nova Zelândia e Nova Guiné tiveram avanços no combate à pressão alta entre mulheres.
Já o índice de massa corporal, principal medida para aferir a obesidade, cresceu de forma ampla. 'O mundo está ficando cada vez mais acima do peso e obeso', disse Ezzati por telefone.
O sobrepeso e a obesidade elevam o risco de doenças cardíacas, diabete, artrite e alguns tipos de câncer. A hipertensão, outro importante fator de risco para doenças cardíacas, é a maior causa mundial de mortes.
Doenças relacionadas à obesidade respondem por quase 10 por cento dos gastos médicos nos EUA, ou cerca de 147 bilhões de dólares por ano. Na Europa, mais de metade dos adultos tem sobrepeso ou obesidade, sobrecarregando os orçamentos de saúde.
Mas os estudos mostram que esses riscos cardíacos não são mais um problema restrito a países ricos.
'Deixando de lado dois ou três países - EUA, Austrália e Nova Zelândia -, a obesidade é mais elevada nos países de renda média', disse Ezzati.
O índice médio de colesterol total no sangue caiu na América do Norte, Austrália, Nova Zelândia, Nova Guiné e Europa, mas subiu no Leste e Sudeste Asiático e na região do Pacífico.
A hipertensão é um problema mais grave nos países bálticos e na África Oriental e Ocidental.
Ezzati elogiou iniciativas de alguns países para reduzir o consumo de sal e gorduras saturadas, o que ajuda no combate à hipertensão e colesterol, e disse que isso poderia ser adotado em países com diversos níveis de desenvolvimento.
A Assembleia Geral da ONU realizará em setembro uma reunião especial para discutir a crescente ameaça de doenças crônicas como distúrbios cardíacos, câncer e diabete, principalmente em países mais pobres.

Até mais.


quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Hemoglogina Glicosilada x Glicemias...

Correlacionei neste post o valor médio de glicemias com o valor da hemoglobina glicosilada, ou seja o resultado da Hemoglobina glicosilada reflete mais ou menos, a média das glicemias diárias dos últimos 3 meses.

HbGlicosilada Glicemias
4% ---------------65mg/dl
5% ---------------100mg/dl
6% ---------------135mg/dL
7% ---------------170mg/dL
8% ---------------205mg/dl
9% ---------------240mg/dl
10% --------------275mg/dL
11% --------------310mg/dL
12% --------------345mg/dL

Até mais.

Sono x Diabetes...

Dormir após o almoço pode aumentar risco de diabetes

Estudo britânico com mais de 16 mil pessoas associa a soneca da tarde ao diabetes tipo 2
Um estudo apresentado na conferência anual da organização britânica Diabetes UK indica que dormir regularmente depois do almoço pode aumentar o risco de desenvolver diabetes tipo 2. Avaliando mais de 16 mil pessoas, os pesquisadores descobriram que aquelas que costumavam tirar uma soneca após a refeição tinham 26% mais chances de desenvolverem a doença.
Segundo os autores, vários fatores podem estar por trás dessa relação, incluindo problemas no sono noturno e uma associação entre sonecas e diminuição da
atividade física. Além disso, eles destacam que, ao acordar de uma soneca, o organismo ativa hormônios e mecanismos que atrapalham a eficiência da insulina.
Os
especialistas lembram, porém, que as sonecas têm menor peso no diabetes do que os fatores de risco tradicionais, como obesidade, idade avançada e histórico de diabetes na família.
Até mais.
Fonte: Sport Life.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...