terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Reduzir calorias é mais importante que restringir dieta...

Adotar um regime com proporções rigorosas entre gorduras, carboidratos e proteínas pode não ser tão eficiente para quem quer perder peso do que simplesmente cortar calorias, de acordo com um estudo em que são comparadas quatro dietas.

O resultado sugere que não importa de onde vêm as calorias, contanto que a dieta as reduza.

Estudiosos do Centro Pennington de Pesquisa Biomédica, na Louisiana (EUA), acompanharam centenas de pessoas com sobrepeso que seguiram uma de quatro dietas, com diferentes proporções de proteínas, gorduras e carboidratos.

Cada uma delas foi balanceada para reduzir 750 calorias do consumo anterior dos voluntários, que tiveram o peso e a proporção de gordura corporal medidos seis meses e dois anos após a adoção da dieta.

Não foi encontrada nenhuma diferença entre as dietas nesses quesitos. A pesquisa foi publicada no "American Journal of Clinical Nutrition".

Até mais.

Fonte: Folha de São Paulo.

sábado, 28 de janeiro de 2012

Carne alterada...

McDonald´s muda receita do hambúrguer após denúncia
O McDonald´s, maior cadeia de fast-food do mundo, irá alterar a carne utilizada para fazer os seus hambúrgueres nos Estados Unidos. Segundo reportagem do 'Mail Online', a empresa decidiu retirar da fórmula de preparo da carne os produtos da empresa da empresa BPI (Beef Products Inc) após denúncia do chef britânico Jamie Oliver.

No ano passado, o chef, famoso por ser ativista de comida saudável, fez uma reportagem para seu programa de televisão afirmando que os hambúrgueres das unidades americanas do McDonald´s contêm hidróxido de amônia.

Segundo a reportagem, a empresa junta sobras de carnes gordurosas e faz uma mistura, apelidada de 'lodo rosa' por Oliver. Depois, o produto vai para a centrífuga e recebe uma lavagem que inclui hidróxido de amônia. O McDonald´s utilizaria esse método para engordar os hambúrgueres e aumentar o volume de carne.

O microbiologista do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, Geral Zirnstein, apoiou a campanha de Oliver e disse ao jornal que a utilização do hidróxido de amônio em alimentos deve ser proibida.

Em entrevista ao 'Mail Online', o diretor do Sistemas da Qualidade do McDonald´s, Todd Bacon, negou que a mudança na receita do hambúrguer foi forçada pela campanha de Oliver. Segundo ele, "a segurança de alimentos tem sido e continuará a ser uma prioridade no McDonald's" e "a decisão de retirar os produtos da BPI não está relacionada a qualquer evento específico, mas sim no esfoço de se alinhar a padrões globais de carne". Ninguém da BPI foi encontrada pelo jornal britânico para comentar o assunto.

Em nota, a assessoria do McDonald´s no Brasil informou que os hambúrgueres daqui são preparados de maneira diferente: "Na América Latina, a Arcos Dorados, empresa que opera a marca em toda a região, informa que o aditivo em questão não é e nunca foi utilizado como ingrediente em qualquer processo da cadeia produtiva da marca. A companhia acrescenta que os hambúrgueres são preparados com 100% de carne bovina e que toda a produção é validada pelas autoridades regulatórias locais".

Até mais.

Fonte: G1

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Novas vacinas em 2012...

Duas novas vacinas serão oferecidas no calendário de vacinação infantil pelo Ministério da Saúde a partir de 2012

O Brasil irá ampliar o Calendário Básico de Vacinação da Criança com a introdução Vacina Inativada contra a Poliomielite (VIP), feita com vírus inativado. A nova vacina será utilizada no calendário de rotina, em paralelo com a campanha nacional de imunização (realizada com as duas gotinhas da vacina oral). A injetável, no entanto, só será aplicada para as crianças que estão iniciando o calendário de vacinação.

A introdução da Vacina Inativada Poliomielite (VIP), com vírus inativado, vem ocorrendo em países que já eliminaram a doença. Como o vírus da poliomielite ainda circula em 25 países, a Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) recomenda que os países das Américas continuem utilizando a vacina oral, com vírus atenuado, até a erradicação mundial da poliomielite, o que garante uma proteção de grupo. O Brasil utilizará um esquema sequencial, com as duas vacinas, aproveitando as vantagens de cada uma, mantendo, assim, o país livre da doença. A VIP será aplicada aos dois e aos quatro meses de idade e a vacina oral será utilizada nos reforços, aos seis e aos 15 meses de idade.

A VIP será introduzida no calendário básico a partir do segundo semestre desse ano. As campanhas anuais contra poliomielite também serão modificadas a partir de 2012. Na primeira etapa - a ser realizada em 16 de junho - tudo continua como antes: todas as crianças menores de cinco anos receberão uma dose de VOP, independente de terem sido vacinadas anteriormente. Na segunda etapa - que ocorrerá em agosto - todas as crianças menores de cinco anos devem comparecer aos postos de saúde, levando o Cartão de Vacinação. A caderneta será avaliada para a atualização das vacinas que estiverem em atraso. Essa segunda etapa será chamada de Campanha Nacional de Multivacinação, possibilitando que o país aumente as coberturas vacinais, atingindo as crianças de forma homogênea, em todos os municípios brasileiros.

Outra novidade para 2012 será a vacina pentavalente, que reúne em uma só dose a proteção contra cinco doenças (difteria, tétano, coqueluche, Haemophilus influenza tipo b e hepatite B). Atualmente a imunização para estas doenças é oferecida em duas vacinas separadas.

“Com a inclusão da pentavalente no calendário vacinal vamos reduzir uma picada nas crianças, diminuindo as idas aos postos de saúde”, explicou o ministro Alexandre Padilha. Ele reforçou ainda a participação dos laboratórios públicos na produção de vacinas no país.

Pentavalente - A inclusão da vacina pentavalente no calendário da criança também será feita a partir do segundo semestre de 2012. A pentavalente combina a atual vacina tetravalente (difteria, tétano, coqueluche, haemophilus influenza tipo b) com a vacina contra a hepatite B. Ela será produzida em parceria com os laboratórios Fiocruz/Bio-Manguinhos e Instituto Butantan. As crianças serão vacinadas aos dois, aos quatro e aos seis meses de idade.

Com o novo esquema, além da pentavalente, a criança manterá os dois reforços com a vacina DTP (difteria, tétano, coqueluche). O primeiro a partir dos 12 meses e, o segundo reforço, entre 4 e 6 anos. Além disso, os recém-nascidos continuam a receber a primeira dose da vacina hepatite B nas primeiras 12 horas de vida para prevenir a transmissão vertical (transmissão de mãe para filho).

Heptavalente - No prazo de quatro anos, o Ministério da Saúde deverá transformar a pentavalente em heptavalente, com a inclusão das vacinas inativada poliomielite e meningite C conjugada. “As vacinas combinadas possuem vários benefícios, entre eles o fato de reunir, em apenas uma injeção, vários componentes imunobiológicos. Além disso, os pais ou responsáveis precisarão ir menos aos postos de vacinação, o que poderá resultar em uma maior cobertura vacinal”, observa o ministro Alexandre Padilha.

A vacina heptavalente será desenvolvida em parceria com laboratórios Fiocruz/Bio-manguinhos, Instituto Butantan e Fundação Ezequiel Dias. A tecnologia envolvida é resultado de um acordo de transferência entre o Ministério da Saúde, por meio da Fiocruz, e o laboratório Sanofi.

Até mais.

Fonte: Ministério da Saúde

Veja o conteúdo completo da notícia em: Saúde oferece duas novas vacinas para crianças

NEWS.MED.BR, 2012. Duas novas vacinas serão oferecidas no calendário de vacinação infantil pelo Ministério da Saúde a partir de 2012. Disponível em: . Acesso em: 24 jan. 2012.

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Síndrome de Prader-Willi: revisão...

Foi descrito primeiro por Prader, Labhart e Willi em 1956. É a causa genética mais comum de obesidade com uma incidência de 1:15000 a 1:25000 nascidos e de igual prevalência em ambos os sexos.

GENÉTICA:

Alteração no braço longo do cromossomo 15q11-q13. Surge por herança paterna (maioria das vezes). Um cariótipo ou FISH normais não excluem o diagnóstico, podendo ser feito a análise de metilação do DNA, sendo essa a única técnica que pode confirmar ou afastar a hipótese diagnóstica.
Muitos casos ocorrem esporadicamente. 75% deleção paterna do cromossomo 15q11-q13.

APRESENTAÇÃO CLÍNICA:

Hipotonia neonatal, hipoplasia clitoriana ou de pequenos lábios nas meninas, micropênis e criptorquidia nos meninos. A hipotonia é associada a sucção e alimentação deficiente que resulta em falência do crescimento.
Aumento do perímetro cefálico, diâmetro bifrontal estreito, dolicocefalia, olhos amendoados, mãos e pés pequenos, lado reto na parte ulnar e região medial das pernas, essas são características mais vizíveis a partir dos 2-3 anos de idade.
Fase pré-escolar: obscessão por comer excessivamente. Com o passar dos anos, aparecem as manifestações de obesidade, baixa estatura, hipogonadismo, deficiência de aprendizado e problemas comportamentais.
O Committee on Genetics, American Academy of Pediatrics recomenda o tratamento com HCG antes da correção cirúrgica da criptorquidia.
Quase todos necessitam de reposição de hormônios sexuais para adequar o desenvolvimento puberal. Até o momento não existem relatos de paternidade nesta síndrome.
Pode haver deficiência concomitante ou no seguimento de outros hormônios. Vários estudos tem documentado os benefícios da terapia com GH, incluindo melhorias na massa corporal magra, diminuição da gordura corporal, aumento da densidade óssea e normalização da altura adulta. Os benefícios de se iniciar o GH com 2 anos de idade já são bem estabelecidos.
História cuidadosa e avaliação do estado nutricional, escoliose, anormalidades respiratórias e do sono deve ser avaliados antes e durante a terapia com GH.
A hiperfagia é um sinal cardinal porém permanece indefinida sua etiologia. Não existe tratamento farmacológico efetivo até hoje. Restrição alimentar, com fechamento de armários e geladeira, supervisão constante, dietas restritivas e atividade física são medidas terapêuticas empregadas.
O distúrbio de comportamento incluindo labilidade emocional, temperamento tempestivo e compulsão são particularmente prevalentes na adolescência. Distúrbios do sono são comuns em todos os pacientes, incluindo sonolência diurna e distúrbios respiratórios do sono. O mais consistente achado em estudos de polissonografia é a avaliação no ritmo do sono REM.
Nas crianças a adenoidectomia, amigdalectomia ou ambas são frequentemente a primeira linha de tratamento para os distúrbios respiratórios do sono.
A escoliose é muito prevalente: 30% antes dos 10 anos e 80% após os 10 anos e não é uma contraindicação ao GH.

Até mais.

FONTE: Mary Cataletto, Moris Angulo, Gila Hertz and Barbara Whitman, Review: Prader-Willi syndrome: A primer for clinicians International Journal of Pediatric Endocrinology 2011, 2011:12



quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

1 caso de RAIVA animal em São Paulo após 28 anos...

No primeiro ano após a suspensão da campanha de vacinação, um gato foi encontrado morto em Moema, zona sul da capital paulista

Um gato morreu vítima de raiva em Moema, na zona sul de São Paulo, logo após a cidade enfrentar um ano de suspensão da campanha de vacinação antirrábica. A capital paulista não apresentava casos da doença em animais domésticos desde 1983. No estado, a última ocorrência foi em 2001. Se transmitida ao homem, a raiva quase sempre leva à morte.

O animal morreu em outubro, mas o caso só veio à tona agora, quando ficaram prontos os resultados de testes feitos pela Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP. A suspeita inicial era de que a gata tivesse morrido por envenenamento, como outros na região. “"Tive cinco gatos que morreram por causa de chumbinho que jogaram no quintal. Achei que era mais um caso, mas eu a levei para a USP para analisarem o que a matou"”, diz a dona, a artesã Izabel Bonifácio da Cruz, 50 anos.

O gato de Izabel morreu em outubro, mas a Secretaria Municipal da Saúde (SMS) e a Coordenação de Vigilância em Saúde (Covisa) do Município de São Paulo foram comunicadas apenas em dezembro. A demora na notificação teria sido atribuída a uma confusão em diagnosticar a causa da morte do animal.

Até mais.

Fonte: Veja.

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Refrigerante aumenta acúmulo de gordura em torno dos órgãos...

Esse tipo de bebida não só aumenta gordura no organismo, mas também a concentra em lugares como o fígado, elevando risco de diversos problemas

Os efeitos negativos do consumo de refrigerantes comuns, com açúcar, vão além do ganho de peso e de gordura. Um estudo feito no Hospital Universitário de Aarhus, na Dinamarca, concluiu que quem consome pelo menos um litro desse tipo de bebida todos os dias acumula maior quantidade de gordura em lugares perigosos, como no fígado, nos músculos e em órgãos localizados no abdome. E, consequentemente, corre maior risco de desenvolver diabetes e doenças cardíacas. A pesquisa foi publicada no periódico American Journal of Clinical Nutrition.

Os pesquisadores acompanharam 47 pessoas que beberam todos os dias, durante seis meses, um litro da bebida de sua escolha: água, leite, refrigerante normal ou refrigerante diet. Todos os participantes escolhidos eram obesos ou tinham sobrepeso, já que, segundo os pesquisadores, pessoas com esse perfil são mais sensíveis a mudanças de dieta do que aquelas que têm peso normal.

Após os seis meses, os participantes que consumiram refrigerante normal foram os que mais acumularam gordura. Ao final do estudo, eles tinham 25% a mais de gordura em torno dos órgãos e cerca de duas vezes mais gordura acumulada no fígado e nos músculos do que quando a pesquisa começou.

A gordura acumulada em regiões onde não deveriam, como no fígado, por exemplo, é chamada de gordura ectópica. Segundo um dos autores do estudo, Bjorn Richelsen, essa gordura é mais perigosa para a saúde de uma pessoa do que a gordura subcutânea, que é aquela que fica sob a pele. A gordura ectópica induz a uma disfunção dos órgãos e pode representar um fator de risco para problemas como diabetes, doenças cardíacas, derrames e problemas no fígado.

De acordo com os pesquisadores, esse estudo fornece informações importantes que podem apoiar recomendações para redução do consumo de bebidas açucaradas.

Até mais.

Fonte: Revista Veja.

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Estudo confirma eficácia da liraglutida para perder peso...



O remédio Victoza (liraglutida) é eficaz para o tratamento da obesidade, segundo uma revisão publicada pelo periódico British Medical Journal. A droga fabricada pelo laboratório Novo Nordisk é oficialmente indicada para o tratamento do diabetes tipo 2. Em setembro do ano passado, VEJA publicou uma reportagem apontando o medicamento como uma grande arma para a luta contra o excesso de peso.

No total, foram revisados 25 estudos, com mais de 6.000 pacientes. De acordo com a pesquisa, o benefício foi observado em pessoas com sobrepeso e obesidade, com ou sem diabetes.

Após 20 semanas, os voluntários perderam, em média, cerca de três quilos. Em pacientes que receberam doses mais altas do medicamento a perda foi maior: sete quilos. Além disso, a pesquisa também confirmou que a liraglutida diminuiu a pressão arterial e os níveis de colesterol.

O medicamento é administrado a partir de injeções diárias. A liraglutida imita a ação do hormônio GLP-1, que é sintetizado no intestino delgado. Ela está relacionada aos mecanismos de saciedade e reduz os movimentos intestinais de contração, o que prolonga a satisfação alimentar.

Efeitos colaterais — Entre os principais efeitos colaterais apontados pelo estudo estão náusea, vômito e diarreia, mas não houve registro de hipoglicemia. Por enquanto, os autores da revisão acreditam que o uso da droga para perda de peso deva ser considerado nos pacientes com diabetes que têm obesidade ou sobrepeso. Eles dizem que mais estudos são necessários para elucidar os efeitos da liraglutida no tratamento de pessoas com excesso de peso, mas sem diabetes.

No editorial que acompanha o estudo, Raj Padwal, da Universidade de Alberta, no Canadá, diz que a questão de segurança do uso do medicamento com essa finalidade ainda não está clara. Segundo Padwal, estudos realizados com animais levantaram preocupações de que o medicamento aumentaria o risco de pancreatite e câncer.

"A relevância clínica disso em humanos ainda é desconhecida e talvez demore décadas para que se possa avaliar isso plenamente, apesar de estudos publicados pós-comercialização do remédio terem sido tranquilizadores", escreveu.

Até mais.

Fonte: Revista Veja.

Novo hormônio imita efeito emagrecedor de exercício físico...

Batizado de 'irisin', hormônio produzido durante atividade física poderia trazer o mesmo efeito benéfico — mas com menos suor

Um novo hormônio, que é ativado durante a atividade física, pode ser uma promessa no combate à obesidade e também às doenças que aparecem em decorrência dela, como diabetes e problemas cardiovasculares. Batizado de 'irisin', o hormônio é idêntico em camundongos e humanos e é capaz de promover uma espécie de energia que queima gordura.

Para chegar ao novo hormônio, os pesquisadores do Insitituto do Câncer Dana Farber, em Boston, analisaram as funções da proteína PGC1-alpha — relacionada aos benefícios dos exercícios, como a resistência à síndrome metabólica. "O hormônio traz uma mensagem do músculo para o tecido adiposo", disse o autor do estudo, Pontus Bostrom, ao site da New Scientist.

Ratos alimentados com uma dieta rica em gordura e que receberam o novo hormônio queimaram mais energia e tiveram o menor peso corporal quando comparados com ratos que receberam placebo.

Especular sobre as possibilidades de um hormônio que imita o efeito do exercício é fácil, mas explicar a sua existência é "um pouco mais complicado", afirmou Bostrom.

Como funciona - O tecido adiposo é constituído por dois tipos: gordura branca, cuja função é acumular energia no corpo; e a gordura marrom, que auxilia a queima de calorias ao gerar calor corporal.

No estudo publicado neste mês pela Nature, os cientistas injetaram o novo hormônio nas células de gordura branca dos camundongos. Eles perceberam que as células se tornaram células de 'gordura bege', que poderiam ser equiparadas à gordura marrom, capazes de queimar calorias para gerar calor corporal.

Jan Nedergaard, que estuda de gordura marrom no Instituto Wenner-Gren da Universidade de Estocolmo, na Suécia, afirmou à New Scientist que o hormônio irisin "pode ser interessante para todas as questões relacionadas à obesidade."

Até mais.

Fonte: Revista Veja.

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Dose de analgésico acima do recomendado leva a lesão no fígado...

Poucos remédios para dor parecem mais inocentes do que o paracetamol (mais conhecido como Tylenol, um de seus nomes comerciais), mas exagerar um pouco ao tomar a droga de modo contínuo pode levar a danos severos no fígado, e até à morte.

O dado vem de um levantamento com pacientes no Reino Unido, país que, junto com os EUA, tem um problema sério com overdoses de paracetamol --entre os britânicos, o medicamento é a principal causa de falência hepática (do fígado) repentina. No Brasil, há poucos relatos sobre o problema.

"Nos EUA, no Reino Unido e em alguns outros países da Europa, a gente vê que a maioria desses casos tem a ver com tentativas de suicídio [nas quais a pessoa toma uma dose única muito alta do medicamento]", explica a médica Edna Strauss, da diretoria da Sociedade Brasileira de Hepatologia.

A nova pesquisa, publicada na revista especializada "British Journal of Clinical Pharmacology", avaliou quase 700 pacientes que foram parar na Unidade Escocesa de Transplante de Fígado, em Edimburgo, com lesões hepáticas severas ligadas ao uso do medicamento.

UM QUARTO

De fato, a maioria deles tinha tomado doses altas de um só golpe, mas uma minoria significativa (um quarto dos pacientes) tomou o que os pesquisadores, liderados por Darren Craig, chamam de "staggered overdose" --algo que poderia ser traduzido como "overdose a conta-gotas".

A maioria dos pacientes nesse grupo usava o medicamento para alívio de dores comuns, como as abdominais, musculares, de cabeça e de dentes, por exemplo.

O que os pesquisadores viram é que, embora a dosagem usada por esses pacientes variasse, e que o total de paracetamol ingerido fosse inferior ao verificado nas overdoses "clássicas", a média diária ainda assim ficava acima de 4 g por paciente (cada comprimido costuma ter entre 0,5 g e 0,75 g no Brasil.)

E essa é justamente a dose considerada perigosa hoje pelos hepatologistas. Acima dela, o organismo não consegue mais "limpar" resíduos perigosos derivados do paracetamol, o que acaba destruindo as células do fígado.

"Sobre a toxicidade do paracetamol, não se pode dizer que o trabalho inova, esse valor já está bem estipulado na literatura", diz Strauss.

Para a hepatologista, a novidade do trabalho está em demonstrar que, nesse grupo da overdose "escalonada", o risco de complicações e de morte acaba sendo maior.

Para os autores da pesquisa, isso ocorre porque o dano vai acontecendo de forma mais lenta, devagar e sempre, e é mais difícil de detectar.

Em julho, um painel de consultores da FDA (agência que regula fármacos e alimentos nos EUA) recomendou mudanças nas instruções dadas aos pais quando eles ministram paracetamol aos filhos. O objetivo é justamente minimizar o risco de superdosagens perigosas.

Para Strauss, até pacientes com problemas no fígado podem receber a droga, desde que na dose correta.

Até mais.

Fonte: Jornal Folha de São Paulo.

Pílula de manga é a nova promessa para emagrecimento rápido...

Emagrecer chupando manga parece ser a promessa mais bizarra do ano que se inicia. Mas tem tudo para se tornar a nova moda em dieta - inclusive, certo aval científico.

A manga em questão não é aquela que, nessa época do ano, você encontra em qualquer esquina. Conhecida como manga africana (nome científico: Irvingia gabonensis), a fruta nativa da África ainda não está sendo plantada em outros continentes.

O que não é problema para a indústria do emagrecimento, sempre pronta a oferecer um novo produto para dieta na forma mais prática de consumo, as pílulas.

São elas que estão sendo anunciadas na internet. Na rede, as pílulas são oferecidas por farmácias de manipulação ou revendedores de produtos estrangeiros feitos com o extrato da semente da manga africana. Na Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), não há registro de produto composto pela Irvingia gabonensis.

ESTUDOS

Os sites que vendem o suplemento anunciam emagrecimento fácil, rápido e seguro. As promessas são baseadas em estudos feitos em universidades africanas, alguns deles publicados em jornais científicos internacionais.

Uma das pesquisas mais recentes, publicada no jornal "Lipids in Health and Disease", é um estudo com 102 pessoas, com grupo de controle (metade dos participantes tomaram placebo, para comparar os resultados com o grupo que tomou o extrato da manga) e duplo-cego (nem os participantes nem os pesquisadores sabiam quem estava tomando a pílula "de verdade").

Segundo os pesquisadores, após dez semanas, o grupo que tomou 150 mg diárias de extrato de manga africana finalizou o estudo mais leve, com a cintura mais fina e com melhores índices de colesterol e glicose no sangue.

Os coordenadores do trabalho, professores das universidades de Iaundé (capital da República de Camarões), escrevem no artigo que os dois grupos de participantes iniciaram a pesquisa com as mesmas medidas corporais.

Ao final do estudo, a média de peso dos que tomaram o suplemento caiu para 85 kg, contra 95 kg do grupo controle; eles também saíram com 13 cm a menos de cintura, em média.

Também foi observada queda nos níveis de colesterol e glicose no sangue: enquanto o grupo que tomou placebo diminuiu em 1,9% os níveis de colesterol e em 5,3% os de glicose, os que tomaram a pílula com princípio ativo tiveram redução de 26% no colesterol total e de 22% na glicose.

Muito bom para ser verdade? Pode ser. Um estudo com cem pessoas é pequeno e, embora existam mais uns 20 trabalhos semelhantes publicados, todos foram feitos com poucos participantes. E como também são de curta duração, é difícil prever os efeitos colaterais a longo prazo.

No estudo da República de Camarões (país que produz a tal manga em abundância), as reações adversas observadas foram dor de cabeça, dificuldade para dormir e flatulência.

MILAGRE?

Para a nutricionista Daniela Jobst, de São Paulo, uma das explicações possíveis para a ação do suplemento é o fato de ele fornecer uma grande quantidade de fibras.

"Fibras aumentam a sensação de saciedade, o que ajuda a comer menos, e reduzem a absorção de gorduras e açúcar. Mas isso acontece com qualquer fibra alimentar, é só adicionar os ingredientes certos no dia a dia, não é preciso suplemento."

O problema, para Jobst, é a promessa de milagre. Apostar todas as fichas em uma pílula não ajuda na reeducação alimentar de ninguém e, para emagrecer de forma consistente e duradoura, ainda não inventaram nada melhor do que mudar hábitos alimentares.

A nutricionista afirma que ainda não há comprovação científica suficiente para afirmar que o extrato de manga africana é tudo isso. E lembra que, nessa seara de suplementos para emagrecer vendidos pela internet, o controle de qualidade não é muito eficaz.

SEM REGISTRO

Segundo a área técnica da Anvisa, não há produto registrado na categoria de alimentos que seja composto pela espécie vegetal Irvingia gabonensis (manga africana).

A agência esclarece que, como não há histórico de consumo dessa espécie no Brasil, nada garante que seja seguro. "É necessário que esse produto seja avaliado quanto à sua segurança de consumo previamente a sua comercialização, conforme dispõe as Resoluções 16 e 17/999", informa a Anvisa.

Até mais.

Fonte: Jornal Folha de São Paulo.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...